Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Ai Tanto que Eu Gostava Deles!

 

Fiquei hoje a saber que estes meninos estavam em Lisboa para um concerto. Que se tinham voltado a reunir e andavam por ai a reavivar memórias, a encher os corações de romantismo (lembram-se da onda dos New Romantic?), e quiçá a dar balanço a algums franjas que continuem a subsistir desde os anos 80...

 

Eu adorava os Spandau ballet. E os Duran duran. Mas por agora dedico-me apenas a este grupo.

Eu era uma chavaleca mas sabia as músicas todas deles de cor (e ainda sei...!). E como boa pretendente a futura cantora, pegava na escova de enrolar o cabelo ou outra coisa que se assemelhasse a um microfone, e levava os dias inteiros na cantoria a treinar a voz, as fixar letras e a azucrinar os ouvidos de quem não me quisesse ouvir. Ahahah!

 

Lembro-te de ligar o rádio na Rádio Comercial e pôr a cassete a jeito para gravar as músicas favoritas. E aproveitava para fazer isto quando estava a lavar a loiça. Qual Cds, Mp3 ou gadgets do género! Era a bela cassete - que, de vez em quando, rebentava a fita e lá se remendava com fita-cola - que fazia os delírios da malta. Mesmo com os sons roufenhos das interferências de alguma mota que passava na hora da gravação e lá mexia com as ondas da rádio e deixava a sua marca indelevelmente marcada nas nossas músicas preferidas...

 

Ai que nostalgia. Às vezes era bom podermos voltar um bocadinho atrás no tempo e voltar a viver certos momentos. Os 80s eram uma dessas alturas!

Antes era Assim...

Recebi este mail, que adaptei, e não resisti a colocá-lo aqui. Apreciem e fiquem nostálgicos.

 

 

Nascidos antes de 1986.

De acordo com os reguladores e burocratas de hoje, todos nós que nascemos nos anos 60, 70 e princípios de 80, não devíamos ter sobrevivido até hoje, porque as nossas caminhas de bebé eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de chumbo que nós muitas vezes lambíamos e mordíamos.

Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas à prova de crianças ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.

Quando andávamos de bicicleta, não usávamos capacetes.

Quando éramos pequenos viajávamos em carros sem cintos e airbags, viajar à frente era um bónus.

Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem.

Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos gasosa com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora.

Partilhávamos garrafas e copos com os amigos e nunca morremos disso.

Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelo monte abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos num silvado aprendíamos.

Saíamos de casa de manhã e brincávamos o dia todo, desde que estivéssemos em casa antes de escurecer.

Estávamos incontactáveis e ninguém se importava com isso.

Não tínhamos Play Station, X Box. Nada de 40 canais de televisão, filmes de vídeo, home cinema, telemóveis, computadores, DVD, Chat na Internet.

Tínhamos amigos - se os quiséssemos encontrar íamos à rua.

Jogávamos ao elástico e à barra e a bola até doía! Caíamos das árvores, cortávamo-nos, e até partíamos ossos mas sempre sem processos em tribunal. Havia lutas com punhos mas sem sermos processados.

Batíamos ás portas de vizinhos e fugíamos e tínhamos mesmo medo de sermos apanhados.

Íamos a pé para casa dos amigos. Acreditem ou não íamos a pé para a escola; Não esperávamos que a mamã ou o papá nos levassem.

Criávamos jogos com paus e bolas. Se infringíssemos a lei era impensável os nossos pais nos safarem. Eles estavam do lado da lei.

Esta geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre.

Os últimos 50 anos têm sido uma explosão de inovação e ideias novas.

Tínhamos liberdade, fracasso, sucesso e responsabilidade e aprendemos a lidar com tudo.

És um deles? Parabéns!


(...)

 

A maioria dos estudantes que estão hoje nas universidades nasceu em 1986.

Chamam-se jovens. Nunca ouviram 'we are the world' e uptown girl conhecem de westlife e não de Billy Joel.

Nunca ouviram falar de Rick Astley, Banarama ou Belinda Carlisle.

Para eles sempre houve uma Alemanha e um Vietname.

A SIDA sempre existiu.

Os CD's sempre existiram.

O Michael Jackson sempre foi branco.

Para eles o John Travolta sempre foi redondo e não conseguem imaginar que aquele gordo fosse um dia um deus da dança.

Acreditam que Missão impossível e Anjos de Charlie são filmes do ano passado.

Não conseguem imaginar a vida sem computadores.

Não acreditam que houve televisão a preto e branco.

Agora vamos ver se estamos a ficar velhos:

1. Entendes o que está escrito acima e sorris.
2. Precisas de dormir mais depois de uma noitada.
3. Os teus amigos estão casados ou a casar.
4. Surpreende-te ver crianças tão à vontade com computadores.
5. Abanas a cabeça ao ver adolescentes com telemóveis.
6. Lembras-te da Gabriela (a primeira vez).
7. Encontras amigos e falas dos bons velhos tempos.

SIM, ESTÁS A FICAR VELHO, mas tivemos uma infância do caraças!!!